Estelar inaugurou voo entre Caracas e Roma operado pela Hifly

A companhia aérea venezuelana Estelar lançou esta semana o seu novo voo entre Caracas (CCS) e Roma (FCO).

A companhia aérea venezuelana abriu rotas de nicho destinadas a servir mercados que foram abandonados por companhias internacionais durante a crise política e económica que afetou a economia venezuelana.

A Estelar atualmente opera serviços transatlânticos para Madrid (MAD) três vezes por semana, bem como voos ocasionais para Buenos Aires (EZE), Lima (LIM) e Santiago (SCL).

A ligação directa existente entre Caracas e Roma era operada pela Atlitalia, tendo a companhia italiana encerrado a rota em 2015. Desde então os passageiros são obrigados a realizar escalas em outros países.

O voo semanal de Estelar, conforme explicado pelo presidente da companhia aérea, Boris Serrano, é direccionado a empresários que mantêm seus negócios na Venezuela, mas as suas famílias estão na Itália. "Este voo sem escalas facilitará as ligações entre os dois países e às muitas empresas italianas que ainda trabalham na Venezuela", disse ele. "Por enquanto, o voo será dedicado principalmente a clientes empresariais, esperando que o país volte a ser um importante destino turístico."

O serviço semanal será operado por um Airbus A340-300 da Hifly configurado com 12 lugares na Primeira Classe, 42 na Classe Executiva e 213 na Classe Económica.
Esta nova rota é até ao momento a rota mais longa da companhia.

A companhia também espera lançar voos sem escala entre Caracas e Nova Iorque (JFK), a partir de 29 de novembro, operados com Boeing 767 da Eastern Air Lines.

A ligação directa existente entre Caracas e Roma era operada pela Atlitalia, tendo a companhia italiana encerrado a rota em 2015. Desde então os passageiros são obrigados a realizar escalas em outros países.

O voo semanal de Estelar, conforme explicado pelo presidente da companhia aérea, Boris Serrano, é direccionado a empresários que mantêm seus negócios na Venezuela, mas as suas famílias estão na Itália. "Este voo sem escalas facilitará as ligações entre os dois países e às muitas empresas italianas que ainda trabalham na Venezuela", disse ele. "Por enquanto, o voo será dedicado principalmente a clientes empresariais, esperando que o país volte a ser um importante destino turístico."

O serviço semanal será operado por um Airbus A340-300 da Hifly configurado com 12 lugares na Primeira Classe, 42 na Classe Executiva e 213 na Classe Económica.
Esta nova rota é até ao momento a rota mais longa da companhia.